Suas ações fazem sentido?

Suas ações fazem sentido Como isto pode refletir no desempenho da sua empresa

Se algum dia você já parou para pensar nisso e chegou a conclusão que não sabe a resposta para uma pergunta que parece simples, não se preocupe. Em momentos de transformação constante como o que vivemos hoje, é comum agirmos conforme as teorias e aprendizados do passado. Mas, se estamos em processos de constante transformação, tanto na vida pessoal quanto nas relações profissionais, logo, nossas ações também deveriam estar. Em momentos de extrema mudança, que envolvem ideologias e diversas manifestações políticas, um mercado em expansão e retração constante e todas as incertezas que cercam empreendedores, gestores e empregados, fica difícil parar, respirar, pensar e chegar a uma conclusão. Talvez essa conclusão seja a certeza que não temos a resposta definitiva para essa pergunta, e isso é natural, não significa que não sabemos o que estamos fazendo e agimos conforme nossos instintos e na base do “achismo”. Significa que não saber é normal, reconhecer que não se tem a resposta é uma atitude positiva que pode te proporcionar centenas de insights e novas soluções para seus negócios, e é o primeiro passo que qualquer pessoa que deseja obter sucesso em qualquer coisa na vida deve tomar.

Empresário com dúvidas

Ter dúvidas é extremamente normal e importante para crescer.

O fato é que, na busca incessante por uma resposta, atravessamos uma jornada desconhecida, na qual procuramos entender o ponto central da questão e como consequência nos deparamos com um novo mundo de possibilidades, com novos desafios e objetivos a serem superados, esse novo panorama que até então poderia ser desconhecido para a maioria dos gestores deve passar do conhecimento individual para a rotina da empresa, agregando novos objetivos e recompensas para todos que estiverem dispostos a trilhar essa jornada em nome do bem do negócio. Ou seja, para que essa busca pela resposta ideal seja eficaz, é preciso agregar cada vez mais pessoas dispostas a se engajar na causa e defender os interesses da empresa de forma que vislumbrem benefícios para todas as partes.

Pensamentos lineares podem nos levar a grandes resultados, não existe regra para isso, mas é óbvio que a busca pelo conhecimento, ou melhor, pelo autoconhecimento, gera resultados inesperados, que fogem as linhas anteriormente estipuladas e abrem espaço para desvios de rota tão interessantes quanto, quase como se pudéssemos desenhar uma linha em uma folha de papel e nela soubéssemos exatamente o que fazer, esses desvios viriam como coisas novas e desconhecidas, que poderiam ser boas ou ruins, e para isso, a antecipação seria a moeda de troca mais valiosa, aqueles que ousassem desbravar, mas sempre com um planejamento para eventuais contratempos, tomaria o caminho mais longo, mas provavelmente o que traria melhores resultados. Talvez seja difícil imaginar como tomar esse rumo, como traçar as medidas necessárias para atingir esses resultados, mas talvez pelo simples fato de passar a observar isso, já ocorra uma mudança nos resultados finais. Quantificar menos processos e pessoas e passar a mensurar os verdadeiros potenciais para as mesmas é um bom exercício se essa reflexão te desperta a vontade de conhecer a resposta, ou seja, aprender a enxergar além de cargos e funções e começar a entender o que cada pessoa por trás daquele título pode fazer para que suas ações façam mais sentido. Isso significa que, o operador que trabalha oito horas em uma linha de produção pode ter tantos insights quanto o gestor responsável por aquele mesmo setor. E é nesse ponto que mora o maior erro da maioria dos gestores, se basear apenas em títulos, diplomas e especializações. É fato que, quanto mais o profissional se especializa, mais ele adquire percepções e bagagens que hora ou outra vão compor seu repertório de soluções e ideias para a melhoria de processos. Mas muitas vezes essas ideias inovadoras podem partir de qualquer setor da empresa, ou até mesmo da sociedade.

Ótimos insights podem vir dos mais baixos setores da sua empresa.

Colocar essa responsabilidade na mão dos mais “preparados” talvez seja um erro que possa ser denominado inocente, pois parte de um senso comum criado ao longo das décadas que dá aos portadores de diploma, propriedade imediata de fala – mas isso é assunto para um novo post – nos atendo ao assunto em questão, muitas vezes nos fechamos num mundo de certezas e absolutismo que com toda a certeza é prejudicial, basta imaginarmos que se uma pessoa não está aberta a novas possibilidades, experimentações, opiniões alheias e de diferentes profissionais, mesmo que estes sejam de outros setores que a princípio não tenham nada a ver com seu negócio, logo, se perdem diversas oportunidades de conhecer e desbravar novos horizontes. E levando em consideração que ficar para trás quando o assunto é tomar decisões e “fazer sentido” não soa nada vantajoso ser o último a fazê-lo, porém, deve-se tomar cuidado, pois há uma linha tênue entre ficar para trás por perder tempo e ficar para trás e aprender com os erros alheios e absorver as melhores experiências de uma situação.

Assim como em todos os setores, empresas investem milhões anualmente sem saber se estes investimentos trazem algo benéfico de fato, aqueles que souberem o momento de agir e principalmente tiverem consciência de que suas ações devem fazer sentido, e reforçando, ainda não é o momento de responder isso, mas sim de termos consciência que esta pergunta pode nos abrir muitas possibilidades, então, estes serão os primeiros a absorver as oportunidades e remodelar o mercado, que vive uma constante mutação e que não dá sinais de que deve parar de evoluir nessa tremenda velocidade tão cedo.

Clique aqui e veja algumas dicas para dar mais sentido às suas ações dentro da sua empresa.

 SOBRE O AUTOR