Como as redes sociais ajudam seu negócio?

Já parou para analisar quantos produtos você procurou nas redes sociais? Ou que na sua timeline do Facebook e Instagram aparece, praticamente todos os dias, a nova moda de sapatos ou até mesmo um novo salão especifico apenas para unhas em gel? Ou que além de poder fazer a barba  você pode convidar seus amigos para fazer um happy hour na barbearia?

Mas como isso acontece? Como o Facebook sabe dos gosto de sapatos das pessoas, ou sabe que um novo lugar para se barbear é altamente atrativo para você? Neste artigo, vamos falar de como um como empreendedor pode usar as redes sociais para atingir as pessoas certas para seu negócio.

Nas redes sociais tempo é dinheiro ou dinheiro é tempo?

“Tempo é dinheiro”. Essa frase já ficou fixada em nossas mentes, mas e se falarem que “dinheiro é tempo”? Soa estranho? Na verdade não, nas mídias sociais esse termo é o correto. Seu dinheiro custa um determinado tempo de divulgação, além do número de pessoas que serão atingidas. Tudo isso depende da decisão de um bom profissional que conhece e entende as informações que seu mercado precisa e exige. E claro, depende de quanto dinheiro você quer investir.

 

O que você pode aproveitar das redes sociais?

O meio de comunicação que mais cresce entre os internautas pode trazer muitos benefícios para a empresa, tais como:

  • Aumento de vendas: Sim, as redes sociais servem como um vitrine para engajamento das vendas, criando tendências e servindo como mostruário. Os dados da pesquisa TIC Domicílios 2013, realizada pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade de Informação (Cetic.br), entre setembro de 2013 e fevereiro de 2014, mostra que a frequência com a qual os internautas caracterizam seu uso da Web é de 93%, acessando-a diariamente e a maior parte usa a Web de uma a quatro vezes por dia (36%). 57% usando-a mais de quatro vezes por dia.
    Com relação aos usuários de celular no Brasil, 30% acessam as redes sociais, sendo que 26% compartilharam fotos, vídeos ou textos, 25% acessaram e-mails e 23% baixaram aplicativos. A porcentagem é, portanto, praticamente igual a dos usuários de internet móvel no país (31%). Tudo isso porque hoje o percentual de compras online só vem crescendo.
  • Valorização de marca: Ter engajamento leva o “compartilhamento” a ser instantâneo entre os consumidores que aderem. As pessoas sempre compartilham aquilo que rende algum beneficio, seja com um preço bom, uma tendência, uma peça exclusiva para mostrar para amigas, etc.
  • Atendimento ao cliente: Tirar dúvidas na hora exata, isso é o que o consumidor mais almeja nos tempos de imediatismo. Principalmente lojas de roupas femininas já vem ganhando novos formatos de vendas, onde a loja posta uma peça de roupa e a consumidora manda uma mensagem perguntando o preço e tamanhos disponíveis da loja, podendo assim deixar reservado para a sua hora de visita marcada na loja para experimentar. Além de satisfazer as vontades dos clientes é uma excelente forma de estreitar o relacionamento e ganhar confiança com o consumidor. Esta tática está ganhando muita valorização para o segmento de vestuário.

 

O boca a boca  passou a ser chamado de compartilhamento/ curtida nas redes sociais

Com tudo isso nas mãos do cliente e do empreendedor a grande chance de fazer o negocio dar certo nas redes sociais é grande, claro que isso exige do investimento disposto a pagar e de um bom profissional a frente para segmentar corretamente as mídias.

Hoje em dia, quase tudo o que é “gostado” é compartilhamento/ curtido, tanto em grupos de whatsapp, como na própria timeline. E as ações de interação vem ganhando espaço, ou seja, principalmente as mulheres, gostam de comprar roupas em grupo e de receber um “pitaco” antes de decidir comprar. Pensando exatamente nisso, há alguns anos atrás, logo que as redes sociais começaram a ganhar forças, a C&A adotou um botão Like do Facebook nos cabides de roupas, como uma oportunidade e uma tendência no momento. A noticia repercutiu tanto no mundo da moda como uma nova oportunidade de negócio. A pessoa entrava no Facebook e procurava pela aba “Fashion Like”. Nesta aba aparecia uma coleção de roupas que poderia ser curtida, essas curtidas aparecia diretamente no cabide da peça que ganhou o “like”. Ou seja, cada peça tinha seu cabide com a quantidade de likes que recebia, incrível não?

Ação da C&A integrada com o Facebook

Essa ideia gerou vários comentários e repercussão para uma marca que soube inovar. “Mas e se eu não tiver tanto dinheiro assim para investir em algo desse nível?” Bem, há outras maneiras que podem ser utilizadas pra gerar uma certa curiosidade e o internauta vai querer compartilhar.

Reações de interação: Curtir, amei, argh, ual ou triste, são uma forma de interagir com as publicações hoje. Esses botões podem ser utilizados de forma criativa em um post.

Post com peculiaridades: esses são posts que transmitem a mensagem de forma diferente do que apenas uma imagem. Confira exemplos aqui.

E lembre-se: curtidas não são tudo. Para vender mais utilizando as redes sociais, você precisa de uma estratégia que gere reais resultados. Por isso, recomendo que contrate uma agência para gerenciar suas redes sociais.

 

 

 

 SOBRE O AUTOR
Graduada em produção publicitária, diretora de arte da yard. agência de publicidade.