Como desenvolver estratégias digitais para sua empresa

A presença online já é uma prioridade em grande parte dos setores no meio corporativo, porém, não é o suficiente para garantir o sucesso. Em meio a competitividade, estratégias digitais são decisivas para a promoção, fortalecimento e atração de novos clientes.

A visibilidade dos meios digitais e, consequentemente, das táticas direcionadas para eles, têm relação especialmente com o impacto das transformações digitais na jornada de compra das pessoas.

Dessa maneira, táticas que envolvem meios como redes sociais, mecanismos de pesquisa, blogs e sites são cada vez mais exploradas.

Entre as principais distinções dos meios tradicionais, é possível citar alternativas relativamente menos invasivas e um maior número de recursos para a definição e análise de métricas.

Quais são as estratégias de maior destaque?

Para que uma corporação consiga alcançar seus objetivos relacionados com o marketing, há possibilidade de empregar as mais variadas táticas. 

Como exemplo, ao longo do texto será adotada uma empresa da área de construção, que comercializa uma grande diversidade de produtos, desde misturador de argamassa até estruturas para telhado.

Entre as estratégias que podem ser adotadas, é possível conferir:

1) Marketing de conteúdo

Materiais valiosos são capazes não só de atrair os clientes em potencial, como também de converter e envolver de uma forma que contribua até mesmo com a fidelização. Nessa situação, materiais específicos para a audiência da empresa são elaborados. 

No caso de uma corporação voltada para área de construção, conteúdos com curiosidades sobre eletroduto corrugado, dicas de instalação, cuidados e outros pontos, podem ser vantajosos.

2) Redes sociais

Através das redes sociais, as marcas podem cultivar ainda mais a relação com os clientes, devido as possibilidades de interação. É preciso considerar que a cautela com a atuação deve existir, assim como em outras plataformas.

A abordagem deve ser adequada ao tipo de rede social selecionada, por exemplo, para o Facebook, a empresa pode postar uma imagem atrativa inspirada em um de seus produtos, como o piso mosaico ou um vídeo a respeito das vantagens que esse tipo de produto apresenta para a estética do ambiente.

3) E-mail marketing

Considerada uma das táticas mais tradicionais, o e-mail marketing é empregado em prol de elaborar e direcionar mensagens com diversas finalidades, como a consolidação da marca, comunicação com consumidores antigos ou em potencial e a realização de transações comerciais.

A grande vantagem desse tipo de comunicação, além da versatilidade, é a relação mais próxima estabelecida com os clientes.

4) SEO

Para as empresas que almejam um melhor posicionamento nos buscadores e, consequentemente, uma maior visibilidade em meio aos clientes em potencial, as técnicas de SEO (Search Engine Optimization) podem ser uma opção favorável.

São táticas específicas para otimizar as plataformas da corporação para os mecanismos, que contam com os bots, responsáveis pela indexação dos conteúdos e que só interpretam texto e códigos.

Como escolher as estratégias digitais?

Detectar quais são as estratégias mais promissoras para a empresa pode gerar grandes dúvidas a princípio, porém, quando se trata de marketing digital, uma grande vantagem são as possibilidades de alinhar diferentes técnicas para alcançar objetivos variados.

Por esse motivo, um dos pontos principais para identificar as táticas mais viáveis é justamente estabelecer quais são as metas da corporação.

Ainda mais, é interessante que exista o mapeamento digital interno e externo da marca. Em relação aos fatores internos, estão:

  • Estrutura organizacional;
  • Políticas;
  • Serviços e produtos;
  • Pessoas;
  • Competências.

Já os externos estão relacionados com as tendências, concorrência, dados do mercado e o público-alvo. Caso a empresa já possua presença digital, os processos operacionais e as experiências com o público-alvo também devem ser consideradas.

A importância do acompanhamento de métricas

Ao utilizar as métricas das estratégias digitais adequadamente, há grandes chances de ajustar cada tática implantada e potencializar os resultados de forma que oportunidades significativas sejam alcançadas.

Existem diversas métricas que podem ser acompanhadas e é preciso selecioná-las com cautela. Por exemplo, entre as métricas relevantes para o marketing de conteúdo está a taxa de conversão e o tempo gasto no site.

A taxa de conversão é uma métrica versátil, logo, o cálculo depende do tipo de meta traçada. A conversão pode representar um tipo de cadastro para baixar um material, como sobre dicas para instalação de aquecedor solar para piscina e novidades sobre a área.

A redução dessa taxa pode ser atrelada aos mais variados fatores, por exemplo, escassez de produção de materiais relevantes, falta de chamadas para ação nos conteúdos e sites estruturados inadequadamente.

Em relação ao tempo gasto no site, é interessante observar se há necessidade de ajustar fatores que impedem que as pessoas passem mais tempo navegando na plataforma da empresa.

Quando trata-se de recursos relacionados com a receita da marca, uma métrica de grande impacto é o ROI (Retorno Sobre Investimento), que pode ser avaliado conforme uma ou todas as estratégias.

Ao identificar o retorno obtido em relação ao valor investido, será possível ter conhecimento de um ROI positivo ou negativo, assim como de determinadas medidas que podem ser reparadas para otimizar a receita alcançada.

Há necessidade de apontar um erro muito comum relacionado às métricas, que é a valorização de fatores predominantemente associados aos números e curtidas.

Essas são as chamadas “métricas de vaidade” e ao focar o monitoramento apenas para elas, existirá escassez de dados para análises profundas e identificação de oportunidades enriquecedoras.

Conforme será apontado a seguir, há outros erros comuns ao se tratar das estratégias digitais e é importante que os profissionais estejam atentos para evitar grandes prejuízos.

As principais falhas na aplicação de estratégias

Certamente, com a implantação de técnicas digitais, a empresa pode alcançar os mais variados objetivos, como o aumento de vendas de seus produtos, como por exemplo, o de chapas perfuradas e outros itens da área de construção.

Em determinado momento, os profissionais observam que as aplicações não estão alcançando o que era esperado e, naturalmente, as falhas podem variar de acordo com cada empresa, mas há alguns pontos em comum, tais como:

  • Não investir em um site de qualidade;
  • Desvalorização da jornada do consumidor;
  • Falta de precisão ao definir a persona;
  • Negligenciar a concorrência.

É imprescindível que os empreendedores tenham consciência de que o site da empresa muitas vezes é responsável pela impressão de maior impacto nos clientes.

Conforme abordado, uma das métricas relevantes é justamente o tempo gasto no site, o que reforça a importância de evitar esse tipo de erro.

Por mais que outras plataformas sejam mais visadas para a implantação de estratégias, negligenciar um site bem estruturado pode trazer grandes prejuízos.

Um cliente que está em busca de corrimão em alumínio ou de qualquer outro produto pode recorrer facilmente ao site para a obtenção de maiores informações sobre a empresa e o que é comercializado.

Sendo assim, o site também é uma vertente das estratégias, por isso é importante garantir que funcione bem em diferentes dispositivos e disponha de todas as informações necessárias.

A jornada de compra dos consumidores é significativa para os mais variados aspectos nas estratégias digitais, pois é preciso compreender em qual etapa o cliente em potencial está para atraí-lo adequadamente.

São três estágios: descoberta, consideração e decisão. No primeiro, o cliente está no processo de descobrir que há um problema e buscar informações a respeito dele, por exemplo, sobre melhorias na estrutura metálica para telhado.

Na parte de consideração, o problema é compreendido de uma forma mais notável e é interessante que a empresa ofereça materiais com soluções. Afinal, é um momento decisivo para a captação.

No último estágio, que é representado pela decisão de compra, o consumidor está pronto para a ação, como para requisitar a instalação de chapa galvanizada em parte da cobertura. 

Por esse motivo, nesse estágio, comumente as marcas apresentam ofertas mais convidativas para a conversão de clientes em potencial.

A persona, também chamada de buyer persona, condiz com um perfil semi fictício do cliente ideal. Dessa maneira, as marcas podem desenvolver as táticas de acordo com o que os consumidores em potencial realmente buscam.

Esse tipo de definição é mais precisa do que no caso do público-alvo, pois abrange ambições, hábitos, desafios, preocupações em relação ao tipo de produto, entre outras possibilidades.

Além desses aspectos, sabidamente, focar no próprio negócio é crucial, porém, o conhecimento de mercado é decisivo para aprimorar as ações, o que também envolve analisar a concorrência.

A ideia é averiguar quais são os pontos de maior destaque, o que pode ser evitado ou até mesmo aprimorado. Mais precisamente, é uma forma de analisar o próprio trabalho e detectar as oportunidades.

Com as estratégias aplicadas de um modo adequado, a empresa pode alcançar níveis cada vez mais satisfatórios em seu desenvolvimento. Por essa razão, é interessante garantir que profissionais qualificados estejam a frente de cada tática.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 SOBRE O AUTOR